Templo de um deus alado é descoberto no Iraque


Por Weslem Andrade (http://www.etseetc.com/)

Estátuas de tamanho humano e as bases das colunas de um templo de 2.500 anos de idade, dedicado a um Deus supremo, foram desenterrados no Curdistão, norte do Iraque. O período corresponde à época em que os Urartians, assírios e citas lutaram pela supremacia sobre a região.

“A principal responsabilidade da descoberta são dos colonos, que por acaso, descobriram o templo”, disse Dlshad Marf Zamua, um estudante de doutorado da Universidade de Leiden, na Holanda, que faz o trabalho arqueológico no local desde 2005. Bases das colunas foram encontradas em uma aldeia junto com outros artefatos, como estátuas de bronze.

Naqueles dias, a área estava sob o controle da cidade de Musasir, também conhecido como Ardini. Inscrições antigas de Musasir se referem como “a cidade santa edificada sobre a rocha” e “a cidade do corvo”.

O templo perdido do Deus Haldi

“Um dos principais resultados do meu trabalho de campo é desenterrar as fundações do templo perdido da cidade de Musasir, que foi dedicado ao Deus Haldi”, disse Marf Zamua.

Haldi (ou Khaldi) era o Deus supremo de Urartu, um dos principais reinos da Arménia. Urartu foi governada por monarcas que também tinham o título de sacerdote ou representante de Haldi. O templo deste Deus era tão importante que, quando os assírios saquearam em 714 a.C., diz-se que o rei russo de Urartu destruiu sua coroa e se suicidou.

Conhecido como um Deus da guerra, os rei de Urartu orou a Haldi por vitórias no campo de batalha. Normalmente, os templos dedicados ao Deus-guerreiro eram decorados com armas como espadas, lanças, arcos, flechas e escudos pendurados nas paredes.

 Representação do deus Haldi, Fortaleza Museu Erebouni: Yerevan, Armênia.

Representação do Deus Haldi, Fortaleza Museu Erebouni: Yerevan, Armênia.

A localização deste templo particular, tem sido um mistério por um longo tempo, mas a recente descoberta limita, sem dúvida, a área de pesquisa. Ainda assim, é apenas a ponta do iceberg. Durante o trabalho arqueológico concentrado no Curdistão, também há estátuas de 2,3 metros de altura feitos de calcário, basalto ou arenito, alguns foram encontrados parcialmente quebrados. “Todos mostram homens barbudos segurando uma bebida na mão direita e uma arma na outra mão, ou sobre suas barrigas”, diz Marf Zamua.

A maioria das estátuas que datam do sétimo ou sexto século a.C., após a cidade de Musasir cair nas mãos dos filhos da Assíria, e durante o tempo em que os Citas e Cimmerians avançavam através do Oriente Médio.

 Baseando-se em um antigo relevo do século 19 mostrando o saque dos assírios no templo do deus Haldi.

Baseando-se em um antigo relevo do século 19 mostrando o saque dos assírios no templo do deus Haldi.

Marf Zamua apresentou recentemente os resultados no Congresso Internacional de Arqueologia do Próximo Oriente Antigo, realizada na Universidade de Basel, na Suíça. Além de estudos de doutoramento, Marf Zamua leciona na Universidade de Salahaddin em Erbil, capital do Curdistão.

Estatuas de tamaño humano y las bases de las columnas de un templo de 2,500 años de antigüedad dedicado a un dios supremo, han sido desenterrados en Kurdistán, al norte de Irak. La época que marca la datación de los restos corresponde al periodo cuando los urartianos, asirios y escitas, luchaban por la supremacía sobre esta región.

Fonte da Notícia: Mystery Planet

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *